Cá dentro inquietação, inquietação

Nos últimos dias propus-me fazer um pequeno detox. Não daqueles com batidos verdes (o que a minha silhueta agradeceria, na verdade) mas de computador, tablet, telemóvel e afins. Foi francamente bom estar apenas ligada a mim mesma e à minha família, sem intermediários tecnológicos. Esta semana de ausência das lides bloguísticas a isso se deve!

Em virtude de termos andado em trânsito, como uma boa parte dos portugueses nesta época, dei por mim a pensar em coisas que nunca me tinham ocorrido, relacionadas com a alimentação… claro!

Por motivos familiares, deslocamo-nos com grande regularidade dentro de Portugal e, à semelhança dos outros pais com crianças pequenas, vamos sempre devidamente munidos de água, bolachas, pão… para qualquer eventualidade.

Desta vez, bastou-me ver uma fila de dimensões consideráveis a formar-se na auto-estrada, para lembrar-me daquela ocasião, antes de sermos pais, em que ficámos retidos dentro do carro durante várias horas, numa tempestade de neve de proporções assustadoras.  Acabámos por ser resgatados pela Protecção Civil, já a altas horas da noite. Chegar ao nosso destino já não seria possível, pelo que, tivemos de procurar a localidade mais próxima e encontrar um hotel para pernoitarmos. A outra opção seria dormir no ginásio de uma escola, disponibilizado a todos os que se encontravam na mesma situação que nós.

Face a isto não pude deixar de pensar: E se ele estivesse connosco? Como faríamos com a alimentação dele? Não podíamos, simplesmente, deixá-lo comer o que a Protecção Civil tinha para oferecer ou comprar um snack rápido numa bomba de gasolina, pelas razões óbvias. Mal tinha acabado de formular este pensamento, eis que se sucede outro, bem mais angustiante: e em casos de instabilidade político-social, guerras, catástrofes naturais,  em que há rupturas de stocks, racionamentos, distribuição de alimentos por terceiros? Como ficam as pessoas com alergia alimentar?

Digam-me, por favor, que não sou só eu que penso nestas coisas. Se calhar devia mesmo ter optado pelo detox com batidos verdes.

14341

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *