Alimenta

Há cerca de um ano, dedicava-me a um intenso zapping matinal, quando algo me fez parar no programa Praça de Alegria da RTP (a minha vida é tão glamourosa quanto isto).

Abordava-se a temática das alergias alimentares e, foi então, que ouvi falar pela primeira vez da Alimenta – Associação Portuguesa de Alergias e Intolerâncias Alimentares. Uma associação criada por pais e familiares de pessoas com alergias e intolerâncias alimentares, que resolveram unir esforços em prol da sensibilização para estas questões. De imediato, tudo aquilo fez imenso sentido para mim. Corri para o computador para saber mais sobre o trabalho desenvolvido por estas pessoas  e fiz-me associada. Mais tarde, surgiu a oportunidade de tornar-me voluntária.

Neste momento, a Alimenta encontra-se a ultimar formações sobre as alergias e intolerâncias alimentares; dinamiza o primeiro grupo de apoio a alérgicos/intolerantes e seus familiares (“Olá, sou a mãe Copinho de Leite e tenho um filho alérgico à proteína do leite de vaca”); já interveio enquanto grupo de pressão quando as canetas de adrenalina (a única coisa que pode salvar vidas nestas situações) estiveram esgotadas em Portugal inteiro – só para nomear algumas iniciativas.

No fundo, este grupo de pessoas (ao qual orgulhosamente passei a pertencer) resolveu passar do “ai que desgraçadinhos que nós somos, que no fim do mês o preço destes alimentos especiais sem leite/ovo/soja/gluten/frutos secos equivale a uma renda de casa, e ninguém percebe nada do que andamos para aqui a falar, o que vai ser de nós” para acções concretas que poderão levar a mudanças efectivas.

Os interessados em saber mais sobre este exercício prático de cidadania e responsabilidade social poderão fazê-lo em: www.alimenta.pt ou www.facebook.com/alimenta.pt.

995122_141407809398554_813721540_n

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *